terça-feira, 27 de janeiro de 2015


Não sei se vocês já ouviram falar sobre a história de Miles Scott, mas provavelmente sim. Miles é um menino de 6 anos, portador de leucemia desde os 1 ano e 6 meses de idade e fã do batman. Esse poderia ser mais um em meio aos milhares de casos desconhecidos de uma criança doente, mas graças a Fundação Make a Wish, o mundo pôde conhecer a história de Miles e, fazer deste caso, o "portão de acesso" aos outros tantos existentes.
Make a Wish, se traduzido para o português, significa "faça um desejo". A partir disso, você já deve estar começando a entender do que se trata a instituição. Pra  ficar um pouco mais claro: vocês já ouviram falar sobre o programa "Papai Noel dos Correios"? Aquele programa em que as crianças (normalmente aquelas que os pais não tem condições de atender ao pedido) escrevem cartinhas fazendo seu pedido de Natal e alguém que esteja disposto e tenha condições, "adota" uma criança, comprando o presente desejado por ela. Então. Acho que agora ficou mais fácil. A Fundação Make a Wish tem basicamente esse mesmo propósito, no entanto, o público-alvo é um pouco mais restrito. As crianças que fazem seu desejo são aquelas que tem alguma doença muito grave. Algumas pessoas podem pensar: se a doença é grave, vale a pena esse tipo de ação? Sim! Vale a pena e a galinha toda. Quem trabalha/trabalhou/convive com criança, compreende que às vezes um gesto pequeno, serve de motivação para ela, ainda mais se tratando de doenças graves e terminais, em alguns casos. Acaba sendo uma ação seletiva. Mas nesse caso, não vejo como algo negativo. Você já parou pra pensar em como é difícil a vida de uma família que não tem condições para suprir suas próprias necessidades por falta de dinheiro? Pois é, agora imagina se nessa família tem uma criança doente, precisando de remédios caros e assistência médica. Entendeu o que quis dizer?
Mas então, o sonho do menino era ser o Batman e a Fundação proporcionou à ele um dia ao lado da Polícia de São Francisco. Cerca de 20.000 pessoas acompanharam a ação.
Quando estava aplicando o projeto do meu TCC no GPACI, consegui entender como é importante levar alegria para uma criança doente e que o fato de você, na condição de voluntário, chegar naquele ambiente com um sorriso no rosto sorriso de alegria, e não de pena transmite uma certa segurança para quem está ali.
Relacionando a Fundação Make a Wish, com a história de Miles Scott, agora ligo esses dois itens ao cinema. Opa, como assim Lê? Pois é, essa história teve tamanha repercussão que a Julia Roberts (pra quem não sabe, além de atriz, ela é produtora) vai produzir um filme baseado no documentário que acompanhou o garoto: "Batkid Begins: The Wish Heard Around the World".
Bacana né gente? Como eu mesma disse acima, existem muitas crianças doentes, cujos casos são desconhecidos e ações como essa, podem fazer com que pessoas que tenham condições, ajude aqueles que precisam!
E vocês, gostaram de conhecer a história de Miles?